Star Wars, Sombras do Império

História Pregressa
Sessões 01 à 09

A história começou quando o grupo chegou a um planeta chamado Kronnian após uma batalha contra piratas. A nave estava avariada, o hiperdrive não funcionava e precisavam consertá-la. O planeta tinha uma base do Império, hackearam os sistemas e descobriram que uma das bases menores tinha as peças que precisava e também um prisioneiro contrabandista amigo de Kaura. Conseguiram resgatar o prisioneiro e pegar as peças com sucesso.

O grupo recebeu uma missão de Ashoka Tano, que também apresentou Ragnar, estava para acontecer um leilão de artigos Jedi no planeta Telos IV. O grupo conseguiu localizar onde estavam os objetos e invadiram o cofre secreto de Tarand Telsh com sucesso, porém, o Império ativou uma Quarentena no planeta por motivos ainda desconhecidos. O grupo conseguiu 5 lightsabers, um holocron Sith, uma lista de nomes de criança e três cristais de dados contendo toda a tecnologia de clonagem, o padrão genético dos Clone Troopers e todos os equipamentos e técnica de treinamento.

Um crimelord chamado Jaxor Krin contatou o grupo dizendo que poderia retirá-los do planeta, porém, o custo seria a nave (ele daria outra em troca) e uma lista de nomes. O grupo foi relutante, mas não viu muita alternativa, deu a lista, porém, conseguiu copiá-la manualmente. Eles pegara uma Gozanti-Class dada por Jaxor Krin e conseguiram escapar com sucesso. Dias depois descobriram que a antiga nave do grupo foi destruída numa batalha contra o Império e foram dados como mortos.

Eles passaram os dados das crianças, que concluíram ser uma lista de crianças sensitivas à Força, de antes dos Jedi caírem. Entre os 33 nomes estava o nome de uma menina de alguns meses de idade que tinha o mesmo sobrenome da Sonja e vivia no mesmo lugar que nasceu.

O grupo decidiu vender os cristais de dados para compradores diferentes, para evitar que toda a informação caísse em mãos erradas. Anton Sor-Ed conseguiu um comprador para um dos cristais por 50.000 Cr num resort de luxo. Quando foram encontrar com o comprador foram abordados por uma Bounty Hunter chamada Synthia que conseguiu fugir após uma dura luta contra o grupo, deixando a Sonja hospitalizada.

Seguindo uma pista por informações sobre o Black Sun, o grupo foi em direção a um lugar chamado Black Rock, mas assim que saltaram do hiperespaço foram abordados por uma Corveta Just Business chamada que logo iniciou hostilidades. O grupo conseguiu vencer a batalha sem nenhum arranhão e o capitão inimigo reconheceu a vitória, Pirata Karus fez um acordo com o grupo de ceder uma Y-Wing e dever um favor.

Em Black Rock encontraram com [[:yansen | Yansen]], que após uma negociação dura, ele forneceu uma lista dos locais de atuação de Jaxor Krin, onde poderia estar algumas de suas bases, naves que possui e contatos que possam levar à ele. Algumas dessas informações estão desatualizadas por ele ter deixado o Black Sun a alguns anos, mas elas podem se provar úteis. Tambéms descobriram o motivo da obsessão de Jaxor Krin com os Jedi, a dez anos atrás ele negociou com um agente imperial que usava um Lightsaber e sabe alguns dos truques dos Jedi, causou a ele a perda de seus dois braços. Depois disso, ele ficou obsessivo com “a Força” e seu poder.

View
Sequestro!
Sessão 10

Através de um contato de Linux chamada Hera Syndulla, o grupo foi contratado para um trabalho por Jun Sato que era relativamente simples: eles iriam para Naboo, esperariam o contato de alguém procurando transporte para quatro nobres querendo sair discretamente do planeta após um "evento" acontecer. Depois disso eles simulariam uma falha do hiperdrive, forçando a nave a sair num sistema específico onde seriam abordado por rebeldes e sequestrariam um dos nobres. A pessoa a ser sequestrada sabe do plano, como também o chefe de segurança deles. O pagamento seria de 20.000 Cr na recepção dos nobres e mais 20.000 Cr no destino.

Eles pararam em Naboo e, como foi planejado, o chefe de segurança, o ex-capitão Panaka, entrou em contato com o grupo e fecharam o acordo. O grupo era composto por quatro nobres: a Senadora Alderaniana Allya Song, o nobre Alderaniano Bollen Sends, o ex-Senador Jar Jar Binks e a Princesa Alderaniana Leia Organa.

Durante a viagem o grupo pegou Jar Jar Binks bisbilhotando a nave e acabou trancando ele no quarto. Também fizeram alguns preparativos para o encontro, que foi fazer os soldados passarem mal pouco antes da abordagem. Quando ocorreu a falha do hiperdrive, o plano foi executado com sucesso, sendo a Princesa Leia Organa sequestrada.

Pouco tempo depois, quando Linux estava na ponte, através de uma checagem de rotina, percebeu que não estavam em curso para Aldeeran, mas para Coruscant. Quando foi alterar a rota, percebeu que havia mais alguém na ponte, Jar Jar Binks, com um manto marrom-escuro e carregando um Lightsaber. Linux saltou para fora da ponte, avisando que havia problemas na ponte, enquanto Jar Jar Binks fechada a blast door.

View
Jar Jar Binks
Sessão 11

O grupo se reúne do lado de fora da ponte de comando e começam a planejar a invasão da ponte trancada por Jar Jar Binks, enquanto ele destruía os comandos da ponte berrando que queria apenas o Holocron Sith que estava com a Sonja. Ao cortarem a porta com Lightsabers, a batalha começou. Enquanto isso, Kallya, Isadora, Kronna, Panaka, e o restante dos visitantes foram para o escape pod.

Linux correu para a engenharia enquanto os Jedi lutavam contra Jar Jar Binks e conseguiu desligar o hiperdrive, causando uma parada forçada da nave em espaço desconhecido. Anton Sor-Ed tentou atingir Jar Jar Binks com um desruptor, mas ele defletiu e quase o matou. Para ganhar tempo, Sonja e Ragnar recuaram enquanto Kaura assumia a batalha, ativando o sistema de incêndio e trancando um dos lados.

Sonja pegou o Holocron e deu para Linux enquanto RagnarAnton Sor-Ed entravam na Y-Wing e partiam com ela. O combate com Jar Jar Binks chegou até a área de carga, Linux ativou a descompressão e foi sugado para o espaço, mas Jar Jar Binks conseguiu trazê-lo de volta e recuperar o Holocron. Sonja aproveitou o momento para atacar, mas sem sucesso. Jar Jar Binks começou a ir na direção do hangar, Sonja tentou seguí-lo, mas foi impedido por Kaura, que teve que usar um calmante nela, carregando-a para o escape pod.

Assim que o escape pode foi lançado, Anton Sor-Ed disparou dois torpedos fotônicos nave à dentro, destruindo-a de dentro para fora. Linux entra no segundo escape pod, lança as bóias sinalizadoras e parte em direção a um planeta desconhecido.

View
Planeta Desconhecido
Sessão 12

Após a árdua batalha contra o ex-senador Jar Jar Binks, o grupo ficou dividido em três partes:

- Um pod de fuga com a Isadora, Kronna, Kallya, a Senadora Alderaniana Allya Song, o nobre Alderaniano Bollen Sends, Panaka e três dos seus soldados.

- O segundo pod de fuga estava Kaura (ferido), Sonja (apagada por um calmante aplicado por Kaura) e Linux entrando pelo airlock.

- E a Y-Wing pilotada por Ragnar e com Anton Sor-Ed como copiloto. Ao entrar no planeta sentiu um eco de dor, tristeza e sofrimento, como se permeasse todo o planeta.

O primeiro pod, pilotado por Isadora, não conseguiu pousar adequadamente e alguns membros ficaram feridos. O segundo pod e a Y-Wing não tiveram problemas para pousar.

Pousaram no único continente, na parte sul, do planeta dominado por água e parece ser não-habitado, só há vida selvagem à volta deles. Eles pousaram numa planície próxima a um rio que deságua numa baía, com animais a sua volta.

Depois de gastar um tempo procurando um abrigo, Ragnar localizou um próximo à praia, mas com humidade que vem com a maré. Isadora conseguiu localizar uma toca escavada num pequena colina que dá para abrigar a todos, embora não dê para todos dormirem nela. Depois disso o grupo começou a fazer um levantamento do terreno em volta, a caçar e pensar em meios de sair dalí, enquanto Kallya cuidava dos ferimentos. Chegou a ter um início de discussão entre a senadora Allya Song e o grupo, mas logo se calou, se tornando mais cooperativa.

Durante sua meditação, Ragnar sentiu uma presença, uma espécie de farol de paz e tranquilidade na escuridão de tristeza, dor e sofrimento que havia no planeta. Ele imediatamente se levantou em partiu em direção ao farol. IsadoraLinux, quando notaram a sua ausência começaram a rastreá-lo, mas estavam bem atrás dele. Isadora chegou a sentir o farol durante a caminhada, assim como a Sonja, que também partiu na direção dele, mas um dia de distância.

Ragnar caminhou por dois dias, parando muito pouco para se alimentar e descansar, ao final chegou numa região de morros grandes, quando sentiu um forte tremor de terra, também sentido por IsadoraLinux, e quase caiu. Foi surpreendido por um enorme olho (ou algo bem parecido com isso) se abrindo na própria rocha e conversando com ele num ritmo bem lento. Por não ter um nome Ragnar o chamou de Mon e ele explicou que o tormento de sua amiga o despertou, que sente a Força, embora de forma diferente. Disse que uma escuridão se aproximava do planeta, uma oportunidade para saírem do planeta. Disse também que há alguém que poderia ajudá-lo com seu treinamento no planeta no extremo norte, mas também havia perigo. Por último, falou que poderia falar com a amiga conflituosa. Ragnar agredeceu e retornou para o acampamento, sendo interceptado por Linux, que quase deu um tiro stun nele, mas Isadora interveio.

Enquanto isso, Anton Sor-Ed fazia um levantamento do terreno, mas numa escala maior e acabou encontrando um resquício de civilização, o que parece ser um fragmento de plasduro. Retornou ao acampamento, mas ninguém conseguiu identificar direito o que era ou a quanto tempo está ali.

Já no quinto e sexto dia, Anton Sor-EdLinuxIsadora começaram a canibalizar os pods para ver o que conseguiriam utilizar de útil, como também tentar montar um radar para poder detectar naves se aproximando, já que há a suspeita de que o Império estava se aproximando. Eles conseguiram montar um radar funcional com um bom alcance, podendo detectar naves maiores até mesmo no espaço.

No sexto dia RagnarSonja pegaram a Y-Wing e partiram para o extremo norte, seguindo o que Mon disse. No meio do caminho identificaram um estranha criatura caminhando no solo, maior do que os bisões que viram, que ao percebê-los correu e entrou numa caverna nas regiões montanhosas e frias. Desceram para investigar, mas nada encontraram e, depois de algumas horas foram atacados por algumas dessas criaturas, fazendo-os recuar até a Y-Wing e partirem. Quando decolaram viram cerca de 50 criaturas dessas correndo pelas montanhas, tentando acompanhar a direção da nave.

Quando estavam indo ainda mais para o norte sentiram a nave sendo puxada por alguém usando a Força e foram forçados a parar. Ao saltarem da Y-Wing perceberam uma caverna que não foi feita naturalmente, entraram nela e viram que um portão parecia ter sido arrombado à força de dentro para fora.

À noite Anton Sor-Ed levantou para render um dos soldados que não havia lhe chamado para substituí-lo, foi quando notou que ele estava desaparecido. Procurando os rastros encontrou uma criatura horrenda comendo os restos do soldado. Começou uma batalha e, com a ajuda de Linux, conseguiram derrotar a criatura. Analisando-a, a criatura parecia ser um poderoso predador, com garras muito afiadas e com uma mordida venenosa.

View
Ataque dos Monstros
Sessão 13

Sonja e Ragnar abrigam-se na estranha caverna e aproveitam para explorá-la enquanto as criaturas não chegam. Após uma rápida procura descobrem que a caverna abriga uma antiga base de pesquisas, agora totalmente destruída. Bem no fundo encontram uma área  um pouco diferente, com paredes de metal ao invés de aproveitar a própria rocha, e com uma porta de metal ao lado de um leitor biométrico. Sonja tenta abrir a porta usando um lightsaber, mas a porta estava com selagem magnética, fazendo com que explodisse o plasma, ferindo-a superficialmente.

Sonja vai até a entrada da caverna para verificar a situação e percebe que as crituras simplesmente não entram na caverna e tomados por uma grande fúria, começaram a depredar o Y-Wing. Enquanto isso, Ragnar começa a burlar o leitor biométrico.  Depois de uma hora conseguiu desligar o sistema de força da porta, o que permitiu a eles cortarem a porta com um lightsaber. Lá dentro encontraram uam sala bem preservada, com quatro tubos grandes semelhantes à tanques de bacta, sendo que um deles possuía uma mulher branca de cabelos negros na altura dos ombros e nua. Tambám havia um controle numa linguagem estranha, com um pequeno tubo de vidro deitado sobre a console, de um lado havia cabos conectados à ele e, desse mesmo lado, saía um pequeno feixe de energia que fazia o cristal flutuar e brilhar.

Primeiro Ragnar tentou acessar o painel de controle, mas estava numa lingua que não conhecia. Depois, fascinado pelo cristal, desconectou um dos cabos e pegou o cristal de dentro do tubo, já que o feixe cessou ao retirar o cabo. Tentando libertar a mulher, conseguiu ativar o comando e inicar o processo.

Quando iniciou o processo Sonja ouviu um estranho barulho e ao entrar no salão se deparou com duas criaturas avançando nela. Conseguiu recuar, mas foi ferida pela criatura, mas conseguiu derrotá-la no fim das contas. Ragnar interveio na segunda criatura usando a Força para levantá-la no ar e matá-la jogando-a contra um objeto perfurante na parede. Pegaram a mulher inconsciente, entraram na nave e fugiram na Y-Wing.

Na parte sul do continente, Linux e Anton Sor-Ed verificavam a estranha criatura que matou um dos soldados do Panaka. Após uma discussão, foram em direção ao outro abrigo próximo à praia. IsadoraAnton Sor-Ed saíram para buscar rastros, descobriram que havia mais criaturas e acharam o seu covil. Isadora sentiu um lugar que poderia ser seguro para todos e, com a ajuda do Linux, convenceu a todos a partirem para lá.

Durante a caminhada, no final da noite, foram emboscados por cinco criaturas, que acabaram matando os dois soldados do Panaka, a senadora Allya Song e o nobre Alderaniano Bollen Sends. Só que no meio do combate Sonja e Ragnar chegaram de Y-Wing e ajudaram a derrotar as últimas criaturas. Isadora, LinuxKaura e o Panaka sairam feridos do combate. Por fim cremaram os corpos dos mortos e partiram em direção ao local indicado pela Isadora, com o Linux pilotando a Y-Wing com todo mundo se segurando nela, indo bem devagar.

Sonja e Ragnar, carregando a mulher ainda inconsciente, pararam no que seria a cabeça de Mon, que explicou algumas coisas à ambos, dizendo que a mulher seria de ajuda para eles, como também eles a ajudariam. Também disse que Sonja futuramente estaria atrás de sua irmã.

View
Naufragos
Sessão 14

O grupo assentou-se numa cadeia de colinas próxima onde Ragnar tinha encontrado com Mon. Os Jedi pararam para conversar com a estranha criatura de pedra, que se comunicou com eles através da Força. Ao terminarem a conversa a mulher inconsciente acordou, ainda muito mal e desorientada, perguntando onde estava e se identificando como Selika Roh, Cavaleira Jedi. Com alguns minutos de uma breve conversa Ragnar e Sonja perceberam que ela esteve em stasis por cerca de 1.000 anos.

Kallya passou a tratar dos feridos e de Selika durante uma semana. Logo percebeu que Selika, por ter ficado tempo demais congelada, teve sequelas: perdeu a maior parte de seus memórias pessoais, simplesmente ficando confusas ou inexistentes. As suas memórias mais recentes antes de ser congelada permaneceram inalteradas.

O grupo se reuniu com Selika que contou a sua história: desde criança vivia no Templo Jedi, treinada pela mestra Mallika, tornando-se uma Cavaleira Jedi aos 20 anos de idade. Foi capturada por uma Sith desconhecida do templo enquanto investigava o desaparecimento de seu padawan, que infelizmente recorda muito pouco, isso tudo à pouco mais de 1.000 anos atrás. O grupo contou que a Galáxia estava bem diferente, os Siths tomaram conta da República transformando-a no seu instrumento de terror: o Império.

Alguns dias depois, após "digerir" tudo o que lhe foi contado, Selika fez uma proposta aos Jedi: ela poderia treiná-los, desde que estivessem dispostos à aprender a serem verdadeiros Jedi. Não será uma tarefa fácil, haverão muitas provações e o lado negro estará sempre presente seduzindo-os. Ragnar estranha um pouco, pois Selika segue os ensinamentos originais da Ordem Jedi. RagnarSonja e Isadora aceitam e ela começa a ensiná-los.

Ragnar e Sonja já demonstram grande habilidade com o Lightsaber, então o treinamento para eles focava mais  no uso da Força e na filosofia da Ordem Jedi, como também para conhecê-los melhor. Já com Isadora começou com os princípios básicos, como o uso do Lightsaber, conceitos por trás da Força. Todos tiveram que montar seus Lightsabers usando a Força, sendo a melhor a Isadora, já que montou o seu como sendo parte de um maçarico.

Linux e Anton Sor-Ed foram até o espaço em busca do que restou dos destroços da nave. Conseguiram recuperar algumas coisas bem úteis e a carcaça da uma Y-Wing com o corpo necrosado de Jar Jar Binks dentro, ainda segurando o Holocron Sith. Anton Sor-Ed conseguiu recuperar e esconder o Holocron sem Linux perceber. 

Três meses ao todo se passaram quando o radar improvisado captou alguns pontos intermitentes no espaço coberto pelo radar. Uma análise mais apurada concluiu que os pontos eram sondas imperiais, inclusive uma foi vista no horizonte.  Algumas horas depois o radar pegou o sinal de um Star Destroyer sobre eles, que lançou uma nave auxiliar para buscá-los. Os Jedi esconderam seus Lightsabers na caixa de ferramentas da Isadora, prepararam-se para receber o Império. Nesse meio tempo notaram que Selika desapareceu sem deixar rastros.

Pousou uma nave de transporte carregando dez Stormtroopers, que inspecionaram o grupo e os levaram pacificamente até o Star Destroyer, onde forem recepcionados por uma comitiva de 40 stormtroopers, o Almirante Willian Windows e uma estranha figura usando um capacete.


Atividades e Resultados

 

Isadora

Mod: Lightsaber Lorrdian Crystal 01/03 (Deflection 1)
Mod: Lightsaber Lorrdian Crystal 02/03 (Deflection 2)
Mod: Lightsaber Lorrdian Crystal 03/03 (Defensive 1)

Selika Roh

Fabricação do Lightsaber com Etaan Crystal: 6 Vantagens (Personalized Design, Customizable)

Lightsaber: Etaan Crystal Modifications

Lightsaber: Curved Hilt Modifications

Ragnar

Moralidade: +3

Sonja

Moralidade: +2

View
Fuga da Prisão
Sessão 15

Após serem recepcionados, o Almirante se aproxima deles e manda os Stormtroopers prendê-los, sendo que Sonja e Ragnar recebem coleiras especiais que dão choques. Todos são transportados para a zona de detenção escoltados por 10 Stormtroopers e a estranha figura de capacete, mas Kronna e Panaka são levados para outra área.

Kaura, Anton e Linux são interrogados pelo Almirante Willian Windows, que estava em busca de inconsistências em suas histórias. O que não sabiam é que já tinha feito uma investigação sobre eles e os destroços da nave que eles explodiram antes de naufragarem. Ele pegou algumas mentiras, mas nenhuma evidente. Sonja tentou fugir, mas rapidamente o alarme soou e vários Stormtroopers entraram na cela e a eletrocutaram com bastões de choque.

KauraAnton foram acusados de encobrirem crimes contra a Guilda de Bounty Hunters, além de se associarem com aquisições, por causa disso (e os acordos que o Império tem), seriam entregues à Guilda para serem julgados e sentenciados, provavelmente à morte. Linux foi interrogado por um oficial do Império e acabou entregando o Panaka como agente Rebelde. Quando Anton conseguiu falar com o Inquisitor, ele acabou percebendo que Anton era algo mais e merecia ser estudado.

Ragnar foi interrogado pelo Inquisitor, que acabou descobrindo que Isadora era uma sensitiva da Força e treinando para ser uma Jedi. Já Sonja foi tentada por Tempus à ser tomada pela raiva, mas acabou sendo detida por ele.

Muitas horas depois eis que entra na cela de Linux uma oficial do Império, mas que era na verdade era a cavaleira Jedi Selika Roh. Assim que entrou na cela mostrou um datapad com as plantas do Star Destroyer e que programou um sabotagem que iria desabilitar o reator principal por tempo suficiente para fugirem (através de um reboot de todo o sistema), mas que não tinha uma rota de fuga definida, pois ir até o hangar era inviável. Linux sugeriu de usar o compactador de lixo, mas teria que ser coordenado e seriam arremessados ao vácuo, necessitando de uma nave para resgatá-los. Selika diz que poderia dar condições dele chegar até o hangar para ele pegar uma nave. E então eles começaram a executar o plano.

Quando ocorreu a falha do reator, KauraAnton conseguiram se libertar usando suas habilidades e até colocando alguns Stormtroopers para correr, partiram para cima deles e conseguiram pegar seus blasters, começando o tiroteio. Ragnar consegue se libertar e ajudar o grupo, mas Sonja demora um pouco mais para se soltar e quando o fez acabou atingida por alguns disparos dos Stormtroopers perto da sua cela. Selika aparece para ajudá-los usando a Força para derrubar os Stormtroopers. Por fim entraram no compactador de lixo e aguardavam o momento certo para ativarem a descarga para o espaço.

Linux conseguiu sair com a nave logo depois a falha do reator, mas foi rapidamente detectado como algo anormal. Se posicionando próximo da saída do lixo, ele conseguiu pegar todos rapidamente, mas Sonja, que já estava ferida, acabou desmaiando. Partiram em velocidade máxima e, em meio à tiros das TIE Fighters, conseguiram fugir, mas sem kallya, Isadora e Kronna.


Atividades e Resultados

 

Kaura

  • Críticos: Fácil x1

Ragnar

  • Moralidade: -3

Sonja

  • Moralidade: +2
  • Críticos: Fácil x1, Médio x1

Selika Roh

  • Moralidade: -4
View

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.